Compartilhe:

Amo ou não, a contabilidade?



01/11/2017


O artigo aborda, o reconhecimento do profissional contábil, como um dos aliados mais importantes para qualquer empresário.

 

Outro dia, em conversa com colegas do escritório, comentei sobre a vontade que tenho de me aposentar. Nessa conversa indaguei que aposentada, não atuaria mais na área contábil, pois nunca soube direito, se gostava ou não da profissão que tive por toda minha vida.

Um dos colegas indagou algo, que me fez refletir sobre meu “pseudodesamor” pela contabilidade:  “Conversando com você Janaina, logo se nota que você ama a contabilidade, só não se dá conta disso."

Pensando bem, meu colega tem toda razão. Eu respiro contabilidade. Vivo contabilidade da hora que acordo até hora que vou dormir. De dia, atuo no escritório contábil, a noite leciono sobre contabilidade e finanças. Como alguém poderia viver tanto a área contábil, se não gostasse realmente do que faz? Seria inconcebível.

Em uma outra ocasião, um de meus alunos do curso de Gestão, questionou sobre como eu conseguia fazer contabilidade o dia inteiro e ainda lecionar a noite, com tanto bom humor?  Para meu aluno, só havia uma explicação: eu deveria gostar muito de contabilidade.

Nossa! Como pude nunca ter me dado conta, do que todos já sabiam? Eu realmente gosto da minha profissão e me orgulho e muito, de ser contabilista.

E por que tenho que me orgulhar de ser contabilista?

Porque sim, oras! Porque o mundo empresarial sem contabilidade, seria um caos. O bom contador é um aliado fundamental, e por que não dizer, um dos aliados mais importantes dos empresários.

 Não somos simplesmente elaboradores de tributos e declarações acessórias. Não somos somente “Os caras que fazem os impostos de rendas PF”.

Nós contadores, temos para as empresas, a mesma importância que seus administradores. Aliás, uma empresa bem gerida, tem seus administradores trabalhando em sintonia com seus contadores. Um completando o outro. Um auxiliando o outro nas tomadas de decisão.

Acredito que parte de meu “pseudodesamor” pela contabilidade, foi embutido em mim, por alguns dos clientes que tive, durante minha vida contábil. Muitos viviam (alguns ainda vivem) reclamando dos preços que pagariam pelos serviços do escritório. Outros até reclamavam, pasmem, dos valores dos tributos que elaborávamos, como se tivéssemos controle sobre o valor devido pelas empresas. Existiam ainda, os que  barganhavam preços para elaboração de obrigações acessórias, alegando que os serviços eram relativamente simples de serem feitos.

É triste ver, que de tanto ouvir discussões sobre menores preços na área contábil, alguns de nós (e durante um tempo, eu me incluía nesse caso), acabam acreditando que somos profissionais menos importantes.  

Ah, mas não somos menos importantes, mesmo! Com todo respeito aos advogados, engenheiros e outras profissões, mas a profissão contábil é muito “show”. Só de pensar que as empresas precisam de outros profissionais de forma esporádica, mas do contador elas precisam o ano inteiro, já nos enche de orgulho!

Acredito que já passou da hora, do mundo empresarial deixar de ver o contador, como um gasto necessário e obrigatório, que deve ser escolhido pelo menor preço oferecido.

Contador não tem preço, tem valor!

E para os acham que contador é só um gasto obrigatório: Contador, para mim, não é despesa, é investimento. Não sabe a diferença entre um e outro?  Procure um contador, ele te explica.

contabeis.com.br




Abastecer com Álcool ou gasolina?
Micro e Pequenas Empresas estão isentas de contribuição sindical patronal
Obrigatoriedade do Código de defesa do consumidor no comércio.
Conta-salário, Como funciona?
Férias – Não tem direito a férias o funcionário que:


Mídia Marketing Direcionado - 2008
Daniel José